Firescape” é um livro-imagem composto por uma sequência de fotografias de combustão inspirado na série “Seascapes”, de Hiroshi Sugimoto.

A sequência trata a combustão como extravasamento emocional a partir das sensações percebidas no processo criativo de construção, com as sequências “Waterscape” e “Waterprision”.

O projeto “Firescape”, que também pode ser lido como “fire escape” (na tradução: saída de incêndio), e trata o limite ultrapassado das angústias que um indivíduo consegue aguentar em si.
1ª fase: Construção do diário
Primeiramente, foi construído um diário de três semanas sobre emoções e angústias pessoais. Durante esse processo, foi anotado ao fim de cada relato algumas palavras-chaves que pudessem descrever o que foi desabafado. A palavras-chaves mais relevantes foram: exaustão, ansiedade, tensão, devastação.
2ª fase: Experimentações
Depois, foi feito um estudo da composição de Sugimoto na série “Seascapes” priorizando a relação com a divisão do horizonte.
Primeiras fotografias: “Waterscape”. Tentativa da construção da paisagem de Sugimoto em copos de vidro com água e tinta nanquim.
Compreensão da produção: Essa primeira experiência serviu para compreender a construção da imagem de Sugimoto e as principais diferenças dela com a imagem que foi construída. Enquanto o fotógrafo faz um recorte de uma paisagem imensurável (o mar) com o enquadramento fotográfico, ao colocar a água no copo, foi percebido que já estava sendo feito um recorte limitado da imensidão.
Com essas observações, partiu-se para um segundo ensaio: “Waterprison”.
Compreensão da produção: Nesta segunda sequência de imagens, foi possível contemplar a contenção de um corpo expansível (a água) em um recipiente, tal qual a sua solubilidade. Foi registrado a contaminação de tinta ao corpo que, a princípio, era transparente. Tal como o indivíduo, com as angústias do cotidiano, que passa a perceber a realidade de maneira turva.

Esse segundo ensaio teve o próprio de ilustrar as angústias que tomam conta do ser ansioso e partir para terceira experiência: a extravasação.


4ª fase: FIRESCAPE

Querendo subverter a proposta de trabalhar com a água, foi colocado como protagonista outro elemento com propriedade de expansão, porém mais difícil de conter: o fogo. A combustão, ao contrário da água em recipiente, é o desabafo de todas as angústia acumuladas.

O horizonte nesta sequência, permanece predominantemente horizontal e centralizado, ainda fazendo referência à fotografia de Sugimoto, porém a instabilidade dessa linha traduz a tensão e a instabilidade emocional a ser ilustrada.
5ª fase: livro-imagem
Como produto final deste ensaio, foi produzido um livro-imagem com mesmo título “Firescape”.
Obrigada!
Back to Top